Pergunta à CE: Processo de avaliação do impacto ambiental transfronteiras relativo ao prolongamento da duração de reatores na UE

Pergunta à CE: Processo de avaliação do impacto ambiental transfronteiras relativo ao prolongamento da duração de reatores na UE

  • Quarta-feira, 23 de Dezembro de 2020

  •      A+  A-

Veja aqui a pergunta conjunta dos eurodeputados dos Verdes/ALE Francisco Guerreiro, Thomas Waitz, Monika Vana, Michèle Rivasi, Michael Bloss, Piernicola Pedicini, Reinhard Bütikofer, Sarah Wiener, Anna Deparnay-Grunenberg, Damien Carême, Katrin Langensiepen, Eleonora Evi, Daniel Freund, Niklas Nienaß, Claude Gruffat, Ignazio Corrao, Margrete Auken, Kira Marie Peter-Hansen, Jutta Paulus.

 

Assunto: Processo de avaliação do impacto ambiental transfronteiras relativo ao prolongamento da duração de reatores na UE

Uma resposta do Governo da República Federal da Alemanha(1) revela que, na UE, os seguintes reatores funcionam para lá do seu ciclo de vida inicialmente previsto:

1 unidade da central nuclear de Borssele (Países Baixos)

1 unidade da central nuclear de Tihange (Bélgica)

4 unidades da central nuclear de Dukovany (República Checa) 

1 unidade da central nuclear de Santa María de Garoña, 2 unidades da central nuclear de Almaraz (Espanha) 

2 unidades da central nuclear de Kosloduj (Bulgária) 

4 unidades da central nuclear de Blayais; 4 unidades da central nuclear de Bugey; 4 unidades da central nuclear de Chinon, 4 unidades da central nuclear de Cruas; 4 unidades da central nuclear de Dampierre; 6 unidades da central nuclear de Gravlines, 2 unidades da central nuclear de Saint-Laurent; 4 unidades da central nuclear de Tricastin (França) 

Em conformidade com o acórdão do TJUE (Processo C‑411/17), o prolongamento da vida útil dos reatores belgas Doel-1 e Doel-2 para lá da duração inicialmente prevista, sem a realização de uma avaliação do impacto ambiental transfronteiras, foi ilegal. 

1. A Comissão tomou medidas para investigar os procedimentos de infração relativos ao prolongamento da duração de funcionamento dos reatores incluídos na lista supra? Em caso afirmativo, que medidas foram tomadas? Em caso negativo, por que razão não foram tomadas medidas?

2. Que medidas estão previstas, nomeadamente no que diz respeito à aplicação do acórdão do TJUE no âmbito da Convenção de Espoo sobre a Avaliação dos Impactos Ambientais num Contexto Transfronteiras? 

3. O argumento da segurança do abastecimento de eletricidade permitiu a continuação do funcionamento dos reatores Doel-1 e Doel-2, não obstante o facto de não ter sido realizada uma avaliação do impacto ambiental. No entanto, um estudo do Instituto do Ambiente de Munique(2) refuta o argumento da segurança do abastecimento de eletricidade na Bélgica. Como verifica a Comissão a veracidade das informações relativas à segurança do abastecimento de eletricidade fornecidas pelos operadores das centrais nucleares? 

 

(1)       http://dipbt.bundestag.de/dip21/btd/19/234/1923490.pdf, ponto 20.

(2)       http://www.umweltinstitut.org/aktuelle-meldungen/meldungen/2020/atom/kurzstudie-versorgungssicherheit-in-belgien.html.

 

Resposta escrita

 

Na sua decisão prejudicial no processo Doel C-411/17(1), o Tribunal de Justiça da UE concluiu que a prorrogação, por 10 anos, da longevidade das centrais nucleares Doel 1 e Doel 2 é um projeto abrangido pelo âmbito de aplicação da Diretiva Avaliação de Impacto Ambiental (Diretiva AIA)(2). Como tal, deveria ter sido submetido a uma avaliação de impacto ambiental obrigatória e ao processo de avaliação dos efeitos num contexto transfronteiras previsto nessa diretiva. 

As Partes na Convenção sobre a Avaliação dos Impactes Ambientais num Contexto Transfronteiras (Convenção de Espoo) chegaram a acordo, em dezembro de 2020, sobre orientações relativas à prorrogação da longevidade das centrais nucleares(3). A Comissão publicará orientações sobre as consequências práticas do processo C-411/17 para as obrigações jurídicas dos Estados-Membros no respeitante à alteração e prorrogação de projetos, nomeadamente de centrais nucleares.

Sem prejuízo das competências da Comissão enquanto guardiã dos Tratados, é aos Estados‐Membros que incumbe, em primeiro lugar, assegurar a correta aplicação do direito da UE, nomeadamente da Diretiva AIA. Em relação às centrais referidas na pergunta, não obstante as supramencionadas obrigações jurídicas dos Estados-Membros, a Comissão avaliará os planos de preparação para riscos que cada Estado-Membro deve apresentar até janeiro de 2022. Estes planos(4) devem incluir medidas para prevenir e atenuar crises de eletricidade, com base na análise de um conjunto de cenários de crise de eletricidade identificados a nível regional e nacional.

 

(1)       Acórdão do Tribunal de Justiça da UE (Grande Secção) de 29 de julho de 2019 (ECLI:EU:C:2019:622).

(2)       Diretiva 2011/92/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 13 de dezembro de 2011, relativa à avaliação dos efeitos de determinados projetos públicos e privados no ambiente, JO L 26 de 28.1.2012, p. 1.

(3)       Versão não editada:

https://unece.org/sites/default/files/2020-12/ECE.MP_.EIA_.2020.9_Guidance_on_LTE__ENG_As_finalized_9.12.2020.pdf

(4)       Elaborados ao abrigo do Regulamento (UE) 2019/941 relativo à preparação para riscos no setor da eletricidade.


Partilhar artigo

A ler também...

Membros do Parlamento Europeu apelam a uma melhor proteção contra a vigilância de massa
  • Inteligência Artificial
  • Membros do Parlamento Europeu apelam a uma melhor proteção contra a vigilância de massa

    Quinta-feira, 15 de Abril de 2021
    Vários eurodeputados, entre os quais Francisco Guerreiro (Verdes/ALE), pedem à Comissão Europeia que assegure uma melhor proteção contra a vigilância biométrica e por Inteligência Artificial (IA).
    LER MAIS
    Francisco Guerreiro apoia revalorização de Veneza através do Plano de Recuperação e Resiliência
  • Ambiente
  • Francisco Guerreiro apoia revalorização de Veneza através do Plano de Recuperação e Resiliência

    Quarta-feira, 14 de Abril de 2021
    Francisco Guerreiro (Verdes/ALE) juntou-se ao apelo de várias Organizações Não-Governamentais e outros eurodeputados para que seja apresentado um projeto europeu de recuperação da cidade de Veneza, através do Plano de Recuperação e Resiliência.
    LER MAIS
    Diálogo FAO Bruxelas/PPUE: Fortalecimento dos sistemas alimentares centrados na agricultura familiar
  • Agricultura, Mar e Florestas
  • Presidência do Conselho da UE
  • Diálogo FAO Bruxelas/PPUE: Fortalecimento dos sistemas alimentares centrados na agricultura familiar

    Quarta-feira, 14 de Abril de 2021
    Organizado pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura e pela Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia, o evento sobre o "Fortalecimento dos sistemas alimentares centrados na agricultura familiar - caminhos possíveis para transformações globais" juntou vários especialistas de diferentes organizações portuguesas, europeias e internacionais. Contou igualmente com a participação do eurodeputado Francisco Guerreiro.
    LER MAIS
    Webinar: A Alimentação que Queremos
  • Política Agrícola Comum
  • Webinar: A Alimentação que Queremos

    Terça-feira, 13 de Abril de 2021
    Francisco Guerreiro participou no webinar "A Alimentação que Queremos" promovido pela Fundação Fé e Cooperação, na qualidade de Vice-Presidente da Comissão de Agricultura.
    LER MAIS
    Europa Verde: Promover a UE como líder em ação climática
  • Acordos comerciais
  • Alterações Climáticas
  • Política Agrícola Comum
  • Presidência do Conselho da UE
  • Europa Verde: Promover a UE como líder em ação climática

    Terça-feira, 13 de Abril de 2021
    O eurodeputado Francisco Guerreiro parrticipou hoje num ciclo de conversas online da Global Shapers Lisbon sobre a Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia (PPUE) cujo tema foi "Europa Verde: Promover a UE como líder em ação climática".
    LER MAIS
    European Green Deal: Panel Debate
  • Ambiente
  • Lei do Clima
  • European Green Deal: Panel Debate

    Quinta-feira, 01 de Abril de 2021
    Francisco Guerreiro participou neste debate a convite do European Green Deal Campus Brussels.
    LER MAIS
    Eurodeputados pedem à Presidência Portuguesa e Comissão que rejeitem censura aos produtos de origem vegetal
  • Política Agrícola Comum
  • Eurodeputados pedem à Presidência Portuguesa e Comissão que rejeitem censura aos produtos de origem vegetal

    Terça-feira, 30 de Março de 2021
    O eurodeputado Francisco Guerreiro liderou um apelo à Comissão Europeia e à Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia para que rejeitem a controversa emenda n°171 que poderá vir a alterar a comercialização de alimentos de origem vegetal na União Europeia.
    LER MAIS
    Desafios e Oportunidades da Nova PAC para Portugal
  • Política Agrícola Comum
  • Desafios e Oportunidades da Nova PAC para Portugal

    Segunda-feira, 29 de Março de 2021
    O eurodeputado Francisco Guerreiro (Verdes/ALE) esteve hoje, a convite do jornal Vida Económica, a debater o futuro da Política Agrícola Comum (PAC), com a Ministra da Agricultura, a Confederação Agrícola Portuguesa (CAP), a Confederação das Cooperativas Agrícolas e do Crédito Agrícola de Portugal (CONFRAGI) e a Confederação Nacional da Agricultura (CNA)
    LER MAIS
    Guerreiro vota a favor do relatório sobre o impacto do lixo marinho nas pescas
  • Agricultura, Mar e Florestas
  • Ambiente
  • Sessão Plenária
  • Verdes/ALE
  • Guerreiro vota a favor do relatório sobre o impacto do lixo marinho nas pescas

    Sexta-feira, 26 de Março de 2021
    O eurodeputado Francisco Guerreiro votou esta semana a favor do relatório de iniciativa sobre o impacto do lixo marinho nas pescas, que foi aprovado pelo Parlamento Europeu (PE), com 646 votos a favor e 3 contra.
    LER MAIS
    CAP: Guerreiro quer fim de restrições na comercialização de produtos de origem vegetal
  • Agricultura, Mar e Florestas
  • CAP: Guerreiro quer fim de restrições na comercialização de produtos de origem vegetal

    Quinta-feira, 25 de Março de 2021
    Francisco Guerreiro (Verdes/ALE) liderou um apelo à Comissão Europeia (CE) e à Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia (PPUE) para que rejeitem a controversa emenda n°171 que viria a alterar a comercialização de alimentos de origem vegetal na UE.
    LER MAIS

    mais notícias

    Não encontras o que procuras?