Francisco Guerreiro considera pouco ambiciosas as estratégias europeias do Prado ao Prato e da biodiversidade

Francisco Guerreiro considera pouco ambiciosas as estratégias europeias do Prado ao Prato e da biodiversidade

  • Quarta-feira, 20 de Maio de 2020

  •      A+  A-

Lisboa, 20 de maio de 2020 - O Eurodeputado Francisco Guerreiro (PAN) considera pouco ambiciosas as estratégias “Farm to Fork” (do Prado ao Prato) e de Biodiversidade, componentes do Pacto Ecológico Europeu divulgadas hoje pela Comissão Europeia.

O eurodeputado do PAN, pertencente ao grupo parlamentar dos Verdes/Aliança Livre Europeia (Verdes/ALE), considera que as estratégias divulgadas, “apesar das várias medidas positivas, nomeadamente em termos de aumento da produção biológica, rotulagem de produtos e aumento das áreas protegidas, deveriam ser muito mais ambiciosas e independentes de interesses sectoriais”.

estratégia “Farm to Fork” propõe que os agricultores, pescadores e aquicultores recebam fundos da Política Agrícola Comum (PAC) e da Política Comum das Pescas (PCP) para a adoção de práticas sustentáveis. São definidas metas como uma redução de 50 % da utilização dos pesticidas, uma redução de, pelo menos, 20% da utilização de fertilizantes, uma redução de 50% nas vendas de agentes antimicrobianos para animais de criação e de aquicultura, bem como atingir uma taxa de cobertura de 25% das terras agrícolas sob produção biológica na UE.

A Comissão sugere que sejam revistos, ainda para o ano de 2020, o programa de subsídios de promoção/marketing de alimentos da UE, tendo em vista incentivar um consumo sustentável. O documento reconhece que quase 70% dos gases com efeito de estufa (GHG) da UE provenientes da agricultura (responsável por cerca de 10.3% do total de GHG) tem origem no setor da pecuária, no entanto, não admite a necessidade de cortar os apoios à promoção para este setor.

“Uma versão inicial da estratégia do ‘Farm to Fork' revelava que a Comissão iria propor terminar com os apoios à produção e consumo de carne, mas a versão divulgada hoje refere que ‘em relação à carne, a revisão [dos programas de subsídios promocionais] deveria focar-se em como a UE [os] pode usar (...) para apoiar os métodos de pecuária mais sustentáveis e eficientes em termos de emissões energéticas. Infelizmente, vê-se que houve um grande cuidado na linguagem utilizada e metas estabelecidas para evitar danificar, pelo menos diretamente, este setor altamente poluente – e não é disto que UE necessita”, comenta o eurodeputado. 

Do ponto de vista do consumidor, são propostas algumas medidas positivas. A Comissão prevê uma rotulagem dos produtos alimentares com uma certificação indicativa do seu valor nutricional e origem para 2022, e consoante a sua sustentabilidade ambiental para 2024 - medidas de grande relevância para motivar o consumidor a escolher acertadamente. É ainda proposto que sejam exploradas formas de melhorar a acessibilidade a informações alimentares como estas, particularmente aos indivíduos invisuais. 

No entanto, relativamente a uma certificação consoante os padrões de bem-estar animal seguidos pelos produtores, a Comissão ficou-se por uma afirmação vaga e desprovida de metas ao indicar que a ‘vai considerar’. Uma falha grave quando se negoceia a próxima PAC e o pacote financeiro para o sector agroalimentar.

Em termos de bem-estar animal, a estratégia propõe uma avaliação e revisão da legislação existente, incluindo a que regula o transporte de animais e o seu abate. No entanto, tal só está previsto para 2023. 

“É incompreensível que o bem-estar animal na UE tenha de esperar até 2023 para ser, eventualmente, melhorado. Desde 2015 que não temos na UE uma estratégia para a melhoria da legislação de bem-estar animal - e a divulgação da sua revisão, já atrasada, só sairá no fim deste ano. Ao todo, estaremos a contar com pelo menos oito anos sem melhorias sérias neste âmbito, o que é gravíssimo e contraria as expetativas dos cidadãos e o nosso dever para com os animais”, criticou Francisco Guerreiro. 

Também datadas apenas para 2023 estão a revisão do regime de distribuição de fruta, produtos hortícolas e leite nas escolas (“EU School Scheme”) e a proposta para a definição de metas comunitárias para a redução do desperdício alimentar. 

A Estratégia de Biodiversidade, entre outras medidas, propõe converter pelo menos 30% das terras e mares da Europa em zonas protegidas e geridas eficazmente e repor elementos paisagísticos de grande diversidade em, pelo menos, 10 % da superfície agrícola. 

É ainda objectivo estabelecer metas vinculativas para restaurar ecossistemas e rios danificados, melhorar a saúde dos habitats e espécies protegidas da UE, trazer de volta os polinizadores para as terras agrícolas, reduzir a poluição, tornar as cidades mais verdes, aprimorar a agricultura orgânica e práticas agrícolas e melhorar a saúde das florestas europeias. Para a Estratégia de Biodiversidade será desbloqueado um financiamento de 20 mil milhões de euros por ano, proveniente de várias fontes, incluindo fundos da UE e financiamento nacional e privado.  

No entanto, relativamente à conservação marinha, a Estratégia peca por não contemplar propostas concretas para a contaminação por químicos, tais como aquelas focadas na diminuição da poluição generalizada por microplásticos. 

Não contém também propostas na área de poluição sonora sub-aquática ou luminosa, nem de perda de contentores em comércio marítimo, nem medidas para a exploração de hidrocarbonetos em Áreas de Marinha Protegida, esquecendo por completo a mineração em águas profundas. 

O eurodeputado acrescenta ainda que “é muito positivo ver que esta estratégia reconhece a importante relação entre a pandemia COVID-19, tal como outras doenças zoonóticas, e o impacto da exploração e comércio de animais selvagens no nosso ambiente".

Depois de divulgadas as Estratégias, inicia-se agora o período de escrutínio das mesmas por parte do PE e do Conselho da UE, tendo em vista a sua aprovação ou rejeição.

Consulta aqui a Estratégia do “Prado ao Prato” (e aqui a sua cronologia proposta) e aqui a Estratégia de Biodiversidade.


Partilhar artigo

A ler também...

Eurodeputados querem saber as medidas da UE face às práticas da frota chinesa de pesca longínqua
  • Agricultura, Mar e Florestas
  • Direitos Humanos
  • Parlamento Europeu
  • Eurodeputados querem saber as medidas da UE face às práticas da frota chinesa de pesca longínqua

    Quarta-feira, 22 de Junho de 2022
    Eurodeputados querem saber as medidas da UE face às práticas da frota chinesa de pesca longínqua, que está implicada em violações dos direitos humanos, na pesca ilegal e na pesca de arrasto pelo fundo.
    LER MAIS
    Ilhas da UE e política de coesão
  • Políticas Europeias
  • Ilhas da UE e política de coesão

    Segunda-feira, 20 de Junho de 2022

    LER MAIS
    Artigo 17º do Regulamento da Política Comum das Pescas
  • Políticas Europeias
  • Artigo 17º do Regulamento da Política Comum das Pescas

    Segunda-feira, 20 de Junho de 2022

    LER MAIS
    Notificação sob o Esquema de Compensação e Redução de Carbono para Aviação Internacional (CORSIA)
  • Geral
  • Notificação sob o Esquema de Compensação e Redução de Carbono para Aviação Internacional (CORSIA)

    Segunda-feira, 20 de Junho de 2022

    LER MAIS
    Reduções anuais obrigatórias de emissões de gases com efeito de estufa pelos Estados-Membros (Regulamento de Partilha de Esforços)
  • Ambiente
  • Reduções anuais obrigatórias de emissões de gases com efeito de estufa pelos Estados-Membros (Regulamento de Partilha de Esforços)

    Segunda-feira, 20 de Junho de 2022

    LER MAIS
    Uso da terra, mudança de uso da terra e silvicultura (LULUCF)
  • Agricultura, Mar e Florestas
  • Ambiente
  • Uso da terra, mudança de uso da terra e silvicultura (LULUCF)

    Segunda-feira, 20 de Junho de 2022

    LER MAIS
    Normas de emissão de CO2 para carros e vans
  • Ambiente
  • Normas de emissão de CO2 para carros e vans

    Segunda-feira, 20 de Junho de 2022

    LER MAIS
    Um novo instrumento comercial para banir produtos feitos por trabalho forçado
  • Direitos Humanos
  • Um novo instrumento comercial para banir produtos feitos por trabalho forçado

    Segunda-feira, 20 de Junho de 2022

    LER MAIS
    Acordo de Parceria UE/Mauritânia para Pescas Sustentáveis e Protocolo de Execução - Recomendação: Izaskun Bilbao Barandica (A9-0148/2022) / Acordo de Parceria UE-Mauritânia para Pescas Sustentáveis e Protocolo de Execução (Resolução) - Relatório: Izaskun Bilbao Barandica (A9-0154/2022)
  • Geral
  • Acordo de Parceria UE/Mauritânia para Pescas Sustentáveis e Protocolo de Execução - Recomendação: Izaskun Bilbao Barandica (A9-0148/2022) / Acordo de Parceria UE-Mauritânia para Pescas Sustentáveis e Protocolo de Execução (Resolução) - Relatório: Izaskun Bilbao Barandica (A9-0154/2022)

    Segunda-feira, 20 de Junho de 2022

    LER MAIS
    Revisão do Sistema de Comércio de Emissões da UE
  • Alterações Climáticas
  • Ambiente
  • Revisão do Sistema de Comércio de Emissões da UE

    Segunda-feira, 20 de Junho de 2022

    LER MAIS

    mais notícias

    Não encontras o que procuras?