Pergunta à CE: Aeroporto no Montijo e desconformidades com a legislação comunitária

Pergunta à CE: Aeroporto no Montijo e desconformidades com a legislação comunitária

  • Terça-feira, 27 de Outubro de 2020

  •      A+  A-

Veja aqui a pergunta de Francisco Guerreiro à Comissão Europeia sobre o Aeroporto no Montijo e as desconformidades com a legislação comunitária.

Assunto: Aeroporto no Montijo e desconformidades com a legislação comunitária 

O acordo entre o Estado português e a ANA engloba a construção de um aeroporto complementar no Montijo e o aumento significativo da capacidade aeroportuária do Aeroporto Humberto Delgado. 

O «sistema aeroportuário» consiste num plano sectorial atendendo à legislação portuguesa, com especial impacto na Área Metropolitana de Lisboa e sua envolvente e com efeitos negativos no ambiente e na saúde. 

Tal conjuntura obriga à efetivação de uma Avaliação Ambiental Estratégica, atendendo às premissas na legislação nacional e comunitária. 

Além disso, a avaliação de impacto ambiental desconsiderou eventuais impactos climáticos e ambientais, havendo-se focado no vetor financeiro. Assim, pergunto à Comissão se: 

1. Considera que este projeto, relativamente ao qual se verifica a inexistência da elaboração de uma avaliação ambiental estratégica, cumpre os ditames legais nacionais e comunitários? 

2. Face à ausência de estimativas sobre as emissões de gases com efeito de estufa dos voos associados ao novo aeroporto no estudo do seu impacto ambiental, bem como devido ao facto de a localização ser adjacente à Zona de Proteção Especial do Estuário do Tejo e à Zona Especial de Conservação – Sítio Estuário do Tejo, considera a Comissão que existe conformidade da concretizada avaliação de impacto ambiental com a legislação comunitária?

 

Resposta escrita

 

A Diretiva Avaliação de Impacto Ambiental[1] exige que os projetos de construção de aeroportos[2] sejam sujeitos a uma avaliação dos seus efeitos no ambiente antes de as autoridades competentes concederem a sua aprovação. Além disso, devido aos efeitos potencialmente significativos do aeroporto proposto no sítio Natura 2000 «Estuário do Tejo»[3], é obrigatória uma avaliação adequada desses efeitos[4] nos termos das disposições da Diretiva Habitats[5]. As autoridades competentes só podem dar o seu acordo ao projeto depois de se terem assegurado, à luz dos resultados dessa avaliação adequada, de que a integridade do sítio em causa não será afetada negativamente, a menos que estejam preenchidas determinadas condições[6]. Em contrapartida, importa salientar que as disposições que exigem uma avaliação ambiental estratégica nos termos da Diretiva Avaliação Ambiental Estratégica[7] só se aplicam aos planos e programas na aceção dessa diretiva.

 

A Comissão deu início a um inquérito sobre as alegações de uma eventual aplicação incorreta das disposições da legislação ambiental da UE acima referidas, que lhe foram comunicadas através de uma denúncia. A Comissão decidirá qual a melhor via a seguir para este caso, tendo em conta as conclusões do inquérito em curso.

 



[1] Diretiva 2011/92/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 13 de dezembro de 2011, relativa à avaliação dos efeitos de determinados projetos públicos e privados no ambiente (JO L 26 de 28.1.2012, p. 1), alterada pela Diretiva 2014/52/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de abril de 2004 (JO L 124 de 25.4.2014, p. 1).

[2] Tal como todos os tipos de projetos enumerados no anexo I da diretiva [a construção de aeroportos cuja pista de descolagem e de aterragem tenha um comprimento de, pelo menos, 2 100 metros é referida no ponto 7a) do anexo I da Diretiva Avaliação de Impacto Ambiental].

[3] PTCON0009 e PTZPE0010.

[4] A abordagem geral recomendada pela Comissão no seu documento de orientação «Avaliação de planos e projetos suscetíveis de afetar de forma significativa sítios Natura 2000 — Guia metodológico sobre as disposições do artigo 6.º, n.os 3 e 4, da Diretiva Habitats (92/43/CEE)» (disponível em https://ec.europa.eu/environment/nature/natura2000/management/docs/art6/natura_2000_assess_pt.pdf) é que as avaliações exigidas pela Diretiva Habitats sejam integradas nas avaliações ao abrigo da Diretiva Avaliação de Impacto Ambiental. Devem, no entanto, ser claramente distinguidas e identificadas, ou comunicadas separadamente.

[5] Diretiva 92/43/CEE do Conselho, de 21 de maio de 1992, relativa à preservação dos habitats naturais e da fauna e da flora selvagens (JO L 206 de 22.7.1992, p. 7).

[6] Previstas no artigo 6.º, n.º 4, da Diretiva Habitats, incluindo, por exemplo, que, na falta de soluções alternativas, o projeto é realizado por razões imperativas de reconhecido interesse público.

[7] Diretiva 2001/42/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 27 de junho de 2001, relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente (JO L 197 de 21.7.2001, p. 30).

 

 


Partilhar artigo

A ler também...

Espanha falha em respeitar medidas de bem-estar animal no transporte de animais vivos
  • Animais
  • Espanha falha em respeitar medidas de bem-estar animal no transporte de animais vivos

    Segunda-feira, 22 de Fevereiro de 2021
    Membros do intergrupo para o Bem-Estar Animal do Parlamento Europeu alertaram para falhas por parte das autoridades espanholas no respeito das medidas para o bem-estar animal nas embarcações Elbeik e Karim Allah.
    LER MAIS
    Novo Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas rejeitado pelos Verdes/ALE em PECH
  • Agricultura, Mar e Florestas
  • Novo Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas rejeitado pelos Verdes/ALE em PECH

    Segunda-feira, 22 de Fevereiro de 2021
    Francisco Guerreiro votou hoje contra o acordo sobre o Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos, das Pescas e da Aquicultura (FEAMPA) que foi aprovado pela Comissão das Pescas (PECH).
    LER MAIS
    Guerreiro vota a favor de INI sobre impacto do lixo marinho
  • Agricultura, Mar e Florestas
  • Guerreiro vota a favor de INI sobre impacto do lixo marinho

    Segunda-feira, 22 de Fevereiro de 2021
    Hoje, na Comissão das Pescas (PECH), Francisco Guerreiro (Verdes/ALE) votou a favor deste importante relatório de iniciativa (INI) sobre o impacto do lixo marinho nas pescas. Este relatório, para o qual o eurodeputado foi relator-sombra, deve ser aprovado, mais tarde, em Sessão Plenária no Parlamento Europeu.
    LER MAIS
    Francisco Guerreiro desafia Comité das Regiões a pronunciar-se sobre o RBI
  • Rendimento Básico Incondicional
  • Francisco Guerreiro desafia Comité das Regiões a pronunciar-se sobre o RBI

    Quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2021
    O eurodeputado Francisco Guerreiro, Verdes/Aliança Livre Europeia (Verdes/ALE), incentivou hoje a instituição europeia do Comité das Regiões a pronunciar-se sobre o Rendimento Básico Incondicional (RBI).
    LER MAIS
    Guerreiro pede à UNESCO que trave destruição da Laurissilva
  • Ambiente
  • Guerreiro pede à UNESCO que trave destruição da Laurissilva

    Quarta-feira, 17 de Fevereiro de 2021
    Francisco Guerreiro pede à UNESCO que impeça a intenção de pavimentar quase 10 quilómetros na floresta Laurissilva.
    LER MAIS
    Guerreiro pede a Presidente da FIFA que seja garantida a igualdade de género no Mundial de Futebol
  • Igualdade de género
  • Guerreiro pede a Presidente da FIFA que seja garantida a igualdade de género no Mundial de Futebol

    Terça-feira, 16 de Fevereiro de 2021
    Vários eurodeputados expressaram uma forte preocupação com a realização do Campeonato Mundial de Futebol de 2022 no Qatar, nomeadamente, devido às restrições aos direitos das mulheres aplicadas neste país.
    LER MAIS
    Francisco Guerreiro e 64 outros eurodeputados apelam à suspensão do Acordo comercial com o Mercosul
  • Acordos comerciais
  • Francisco Guerreiro e 64 outros eurodeputados apelam à suspensão do Acordo comercial com o Mercosul

    Quinta-feira, 11 de Fevereiro de 2021
    Francisco Guerreiro reuniu outros 64 eurodeputados para pedir a suspensão do Acordo Comercial com o Mercosul durante a Presidência Portuguesa da União Europeia.
    LER MAIS
    Guerreiro quer impedir uso enganoso do termo 'natural' em produtos alimentares
  • Saúde
  • Guerreiro quer impedir uso enganoso do termo 'natural' em produtos alimentares

    Quarta-feira, 10 de Fevereiro de 2021
    Sob iniciativa do eurodeputado Francisco Guerreiro (Verdes/ALE), Membros do Parlamento Europeu querem acabar com o uso indevido da palavra ‘natural’ em produtos alimentares, pedindo à Comissão Europeia (CE) que a legislação alimentar da União Europeia defina o que pode ser considerado como um alimento ‘natural’.
    LER MAIS
    Verdes apelam ao acesso global e equitativo das vacinas da Covid-19
  • Covid-19
  • Saúde
  • Sessão Plenária
  • Verdes/ALE
  • Verdes apelam ao acesso global e equitativo das vacinas da Covid-19

    Quarta-feira, 10 de Fevereiro de 2021
    O Grupo Parlamentar Verdes/ALE pede um acesso global e equitativo à vacina da Covid-19, um aumento massivo e apoio governamental para a sua produção, uma estratégia de contenção europeia, levantamento temporário de direitos de patentes, divulgação de contratos com fabricantes de vacinas e sistemas europeus procedimentos abrangentes para testar as mutações do vírus. Tudo com carácter de urgência.
    LER MAIS
    Fim da exploração de petróleo e gás offshore na UE
  • Ambiente
  • Fim da exploração de petróleo e gás offshore na UE

    Segunda-feira, 08 de Fevereiro de 2021
    Membros do Parlamento Europeu, entre os quais Francisco Guerreiro (Verdes/ALE), exortam a Comissão Europeia a rever da Diretiva de Segurança Offshore, nomeadamente, no sentido de responsabilizar os Estados-Membros por acidentes offshore.
    LER MAIS

    mais notícias

    Não encontras o que procuras?