RTP: 'PAN. O pequeno partido que quer ser governo'

RTP: 'PAN. O pequeno partido que quer ser governo'

  • Quarta-feira, 12 de Janeiro de 2022

  •      A+  A-

 

Se com o PSD ainda não houve oportunidade para exercitar essa apetência para a colaboração, a mesma já tem provas dadas no que se refere ao Partido Socialista. Os sucessivos orçamentos do Estado apresentados pelos executivos liderados por António Costa nunca receberam voto contra do PAN, que dessa forma se tem apresentado como um parceiro politicamente relevante para a estabilidade governativa do país nos últimos anos, embora sempre ao largo da agora defunta geringonça.

De resto, na crise política que está na génese destas eleições legislativas antecipadas ficam as impressões digitais de toda a esquerda, mas não as do PAN, o único grupo parlamentar que não chumbou a proposta de OE2022. Um facto destacado por António Costa durante o ameno debate de 8 de janeiro com Inês Sousa Real. No entanto, à piscadela-de-olho do primeiro-ministro, respondeu a dirigente do PAN lembrando que, se são sólidas as pontes para os socialistas, o mesmo acontece em direção aos sociais-democratas.

Por diversas vezes, Inês Sousa Real fez questão de sublinhar a noção, que vem sendo reiterada desde a fundação do PAN, de que o partido que dirige “não alinha na dicotomia esquerda-direita” tradicional; antes procura em ambos os lados da barricada política por quem apresentar maior grau de comprometimento com os valores e com as causas que compõem o ideário do PAN. 

Depois dos Animais e da Natureza… as Pessoas

Longe vão já os primórdios de um PPA – Partido Pelos Animais que, em 2009, se apresentou como uma formação política cuja mensagem essencial radicava na defesa dos direitos dos animais. Na estreia em legislativas, em 2011, já como PAN - Partido pelos Animais e pela Natureza, foi imediatamente reconhecido por uma importante fração do eleitorado, mas não em número suficiente para lhe abrir as portas da Assembleia da República.

Isso só aconteceria nas eleições parlamentares seguintes, já depois de um processo de amadurecimento político que passou por mais uma alteração do nome do partido. Em 2014, o Partido pelos Animais e pela Natureza dava lugar ao atual PAN – Pessoas – Animais – Natureza.

Sob a liderança de André Silva, estava consolidado o núcleo estratégico de ação, que toma como “inseparáveis as três grandes causas: humanitária, animal e ecológica”. Em 2015, o PAN conquistava um lugar no parlamento e André Silva, aos 39 anos, tornava-se no primeiro deputado eleito pelo partido.

De entrada, o Pessoas – Animais – Natureza começou logo por apresentar propostas legislativas que denotavam a sua matriz: acesso a benefícios fiscais por associações ambientais e zoófilas; igualdade de direitos na adoção e apadrinhamento civil por casais do mesmo sexo; igualdade de direitos no acesso a técnicas de Procriação Medicamente Assistida. No capítulo ambiental, a discussão em torno do novo aeroporto de Lisboa foi sempre, e continua a ser, um ponto de discórdia com o governo socialista.

A atitude de negociação permanente que o PAN assumiu no Parlamento haveria de resultar na abstenção na votação do Orçamento do Estado para 2016, em que pela primeira vez ficou consagrada a inclusão no IRS das despesas com animais de companhia.

O PAN afirmava-se como força política no panorama nacional e, nas autárquicas de 2017, essa importância sedimentou-se com uma votação total três vezes superior, da qual resultou a eleição de 27 deputados municipais.

Já em 2018, depois de ter alinhado com a maioria parlamentar na reprovação da moção de censura ao Governo então apresentada pelo CDS, André Silva refutava a ideia de maior proximidade com a ala esquerda da Assembleia da República do que com a da direita. Sem olhar a cores, privilegiava o diálogo com quem, a cada momento, denotasse a “capacidade de entender que há cada vez mais pessoas que se reveem nas ideias e nos projetos que o PAN apresenta”. Uma tese que continua a nortear o posicionamento do partido.

Dores de crescimento

O ano de 2019 marca o, até agora, apogeu do PAN. Um resultado histórico nas eleições de maio, com 166 mil votos, abriu as portas do Parlamento Europeu a Francisco Guerreiro. Poucos meses mais tarde, nas legislativas, o país votante determinou que, pela primeira vez na sua história, o PAN teria uma representação parlamentar plural na Assembleia da República. O Pessoas – Animais – Natureza mereceu a confiança de 174 mil eleitores, convertida em quatro deputados. Menos de um ano depois, tornam-se visíveis a olho nu graves sinais de cisão interna.

Em meados de junho de 2020, o eurodeputado Francisco Guerreiro anunciou a desvinculação do PAN, alegando divergências profundas com a linha política global que estava a ser seguida pelo partido. Um dos exemplos então apontados pelo dissidente, que decidiu manter o seu lugar no parlamento europeu, foi "a crescente e vincada colagem do PAN à esquerda".

Passada uma semana, nova onda de choque: Cristina Rodrigues invoca argumentos semelhantes para passar a deputada não-inscrita, reduzindo a representação do PAN na Assembleia da República a três elementos.

Pelo peso político que transportavam, estas foram as roturas mais salientes: Mas houve outras, todas num período de poucos dias e sempre acompanhadas por duras críticas à direção do partido: na Madeira, o PAN viu-se sem representação depois da demissão em bloco de toda a Comissão Política Regional; Sandra Marques, membro da Comissão Política Nacional e deputada municipal em Cascais, também abandonou.

Mesmo assim, André Silva não admitia um cenário de uma crise no PAN e garantia que a sua liderança continuava firme.

Os tempos subsequentes revelaram que não era bem assim. As críticas não deixaram de se fazer ouvir em alto e bom som e, logo no princípio do ano de 2021, veio a público uma carta subscrita por três fundadores do PAN, António Santos, Pedro Taborda e Fernando Leite, em que André Silva era acusado de desvirtuar o partido e de o transformar numa força política que “não é de direita nem de esquerda”, responsabilizando-o pela “anedota inofensiva em que o partido se está a tornar”.

O apoio dado a Ana Gomes nas eleições presidenciais, candidata que “não tem um programa alinhado com a ideologia do PAN” foi outra das censuras apontadas ao porta-voz do partido.


Sai André Silva, entra Inês Sousa Real
O congresso do PAN em Tomar, em junho, marca a passagem de testemunho de André Silva para Inês Sousa Real, até então chefe do grupo parlamentar. Antes de sair (desceu da liderança do PAN e abdicou do lugar de deputado), o porta-voz cessante ainda liderou o partido na abstenção ao Orçamento do Estado para 2021, uma posição que se revelou crucial para passagem do documento na Assembleia da República, numa altura em que a geringonça já começava a desagregar-se.

(...)

Lê o artigo aqui

 


Partilhar artigo

A ler também...

Diário de Notícias: ' Um passo histórico para a democracia europeia'
  • Diário de Notícias
  • Diário de Notícias: ' Um passo histórico para a democracia europeia'

    Quarta-feira, 18 de Maio de 2022

    LER MAIS
    Funchal Notícias: 'Eurodeputado Francisco Guerreiro apresenta rendimento Básico Incondicional na ponta do Sol a 21 de Maio'
  • Funchal Notícias
  • Funchal Notícias: 'Eurodeputado Francisco Guerreiro apresenta rendimento Básico Incondicional na ponta do Sol a 21 de Maio'

    Segunda-feira, 16 de Maio de 2022

    LER MAIS
    JM Madeira: 'Eurodeputado Francisco Guerreiro apresenta Documentário na Ponta do Sol'
  • JM Madeira
  • JM Madeira: 'Eurodeputado Francisco Guerreiro apresenta Documentário na Ponta do Sol'

    Sexta-feira, 13 de Maio de 2022

    LER MAIS
    Net Madeira: 'Rendimento Básico Incondicional na Ponta do Sol a 21 de maio'
  • Net Madeira
  • Net Madeira: 'Rendimento Básico Incondicional na Ponta do Sol a 21 de maio'

    Sexta-feira, 13 de Maio de 2022

    LER MAIS
    Portugal Postsen: 'Reception of refugees at the center of the debate in Coimbra'
  • Geral
  • Portugal Postsen: 'Reception of refugees at the center of the debate in Coimbra'

    Terça-feira, 10 de Maio de 2022

    LER MAIS
    Jornal Crónico: ' O Acto comeu-te a língua'
  • Jornal Crónico
  • Jornal Crónico: ' O Acto comeu-te a língua'

    Segunda-feira, 09 de Maio de 2022

    LER MAIS
    Portugal Postsen: ' European Parliament passes through Coimbra on Europe Day'
  • Geral
  • Portugal Postsen: ' European Parliament passes through Coimbra on Europe Day'

    Sábado, 07 de Maio de 2022

    LER MAIS
    Campeão das Províncias: 'Dia da Europa celebrado em Coimbra com stand móvel do Parlamento Europeu'
  • Campeão das províncias
  • Campeão das Províncias: 'Dia da Europa celebrado em Coimbra com stand móvel do Parlamento Europeu'

    Sexta-feira, 06 de Maio de 2022

    LER MAIS
    Beira News: 'Comemorações do Dia da Europa a 9 de maio'
  • Beira News
  • Beira News: 'Comemorações do Dia da Europa a 9 de maio'

    Sexta-feira, 06 de Maio de 2022

    LER MAIS
    Mundial FM: 'Dia da Europa celebrado em Coimbra com conferência e stand móvel do Parlamento Europeu'
  • Mundial FM
  • Mundial FM: 'Dia da Europa celebrado em Coimbra com conferência e stand móvel do Parlamento Europeu'

    Sexta-feira, 06 de Maio de 2022

    LER MAIS

    mais notícias